sexta-feira, 31 de maio de 2013

Chargista e humorista espanhol, José Rubio Malagon, amostra da publicação na Obra " Necronomia "

Compartilhado via Google+, TT Catalão.


Blog :
http://chicosantannaeainfocom.blogspot.com.br/2013/05/necronomia-o-desabafo-do-chargista.html


Recebo do amigo TT Catalão mostras do excelente trabalho do jornalista e humorista gráfico espanhol Jose Rubio Malagon. É uma pequena amostra do que foi publicado na obra Necronomia, editada por Edicoes De Ponent, de Madrid.

Como salienta TT Catalçao, trata´se de um desabafo do jornalista gráfico ante a encruzilhada do euro e o colapso da Europa, especialmente a agonia espanhola.
 
Com um olhar sarcástico incomum, Malagon aborda temas como a Ditadura Financeira, Inflação, as agencias de rating, preços (vietnã), demissões (sinuca), flexibilidade de emprego (golf), ministerio da economia (pasta), comissões bancarias (toureiro), capibalismo,canibalismo promovido pelo capitalismo (máquina sangra), o desenvolvimento insustentável (pescador), o dialogo social (baloon), dentre outros.

Abaixo, trago algumas das críticas espanholas ao trabalho de Jose Rubio Malagon.


Necronomía: El trabajo de Malagón en Necronomía (Edicions de Ponent, 2012) nos habla de conceptos financieros globales y de sus protagonistas. Términos que desde hace algunos años nos resultan familiares y que han hecho que gran parte de la ciudadanía, sin quererlo, se haya hecho experta en economía, hablando con naturalidad de primas de riesgo, inflación, agencias de ratingy de activos tóxicos.
La exposición que presentamos está formada por 20 originales elaborados a lápiz y tinta sobre papel. En ella podrás ver el método de trabajo que emplea Malagón y el resultado final del mismo.

Do Portal rtve-es

Desde hace 15 años, José Rubio Malagón es uno de los humoristas gráficos más importantes, colaborando con diversos medios como Marca, 20 Minutos, El Economista, Lainformacionn.com, El Mundo, ABC, Tiempo, y El Jueves. Y se ha convertido, por méritos propios, en uno de los mejores cronistas de la crisis económica con sus acertados chistes, sin palabras, que se han recopilado en varios libros de humor. El último es Necronomía: El lado más oscuro de la economía (Edicions de Ponent).
"Necronomía -asegura Malagón- es una especie de diccionario visual o ilustrado de la economía en la cual estamos inmersos. Este libro resume en clave de humor negro, conceptos económicos globales y sus protagonistas".
Un título que nos recuerda a un libro maldito, el Necromicón inventado por Lovecraft para sus narraciones de terror: "Si es un juego de palabras del famoso Necronomicón, que de joven me llamó mucho la atención -asegura Malagón-. El subtítulo del libro resume el interior: El lado oscuro de la Economía, todo en esta vida tiene un lado oscuro, hasta la economía".
"De hecho el lado oscuro de ésta se ha hecho visible y bien visible en estos años de crisis. Una economía que arrolla todo lo que tiene delante, sin un ápice de humanidad, con resultados crueles y lamentables que leemos en las noticias día a día, noticias llenas de historias amargas sobre ciudadanos que son despojados de todo, por una economía salvaje y codiciosa que no se ruboriza y que se jacta de su impunidad".
La crisis también le ha afectado

"Muchas de las obras las he ido publicando en diferentes medios - afirma Malagón - como El juevesEl Mundo y, sobre todo, en el digital www.lainformacion.com, donde estuve haciendo la viñeta diaria sobre economía durante los últimos dos años y medio, con la crisis estando de lleno.Trasprescindir estos de mi colaboración, por la crisis, se cierra el círculo, vi que era un momento idoneo de reunir dicho material y añadirle unos cuantos más inéditos para hacerlo más atractivo a un futuro lector".
En cuanto a si la crisi se podía evitar, Malagón asegura que: "Llevo 15 años publicando viñetas por diferentes medios de comunicación, he trabajado en muchos proyectos económicos por lo que el tema económico siempre ha estado presente. Si es cierto que viendo chistes antiguos, ya en el 2007 ya se decía que esto explotaba o se iba ha hundir, pero las consecuencias tan amargas como las vivimos podías intuirlas pero para nada verlas como hoy en día".
"No me resulta dificil hablar de economía - comenta Malagón -, de hecho hay muchos conceptos económicos que en estos últimos años nos son familiares, todos nosotros sin quererlo nos hemos hecho expertos en economía, hablamos de primas de riesgo, de inflación, de agencias de rating y de activos tóxicos con total naturalidad, como quien habla del tiempo. Más difícil ha sido la actualidad, han sido tantas noticias y tan importantes que a veces no sabía que tema elegir. Otras veces los chistes se quedaban obsoletos, porque se iban sucediendo acontecimientos mucho más importantes y había que rehacer las viñetas".
"Los humoristas tenemos que estar al pie del cañón"

"Tengo varios estilos a la hora de trabajar -confiesa Malagón-, dependiendo en el medio que trabaje, unos con aire más desenfadado y caricaturesco y otros con un tono más realista y negro, este último es el estilo utilizado para Necronomía. El estilo se forja dibujando mucho, al principio te pareces a muchos y poco a poco vas viendo cosas en las que te sientes a gusto y que poco a poco forman parte de tu estilo, de un estilo más personal. Lo fundamental no es un estilo diferenciado del resto, lo eshacer buenos chistes, si además tienes un estilo personal, mejor".
"Los humoristas - continúa - reflejamos con imágenes y textos una opinion particular sobre las cosas que vemos y el lector se siente identificado con ellas y las comparte,somos un poco Pepito grillo. El humor es una estupenda válvula de escape para muchas personas que ven resumidos su rabia, su indignación de las situaciones diarias que viven o leen".
Por eso Malagón admira a todos los humoristas gráficos: "A todos, sé lo dificil que estar todos los días al pie del cañón, sea cual sea tu situación personal y decir algo que sea ingenioso o interesante".
En cuanto a por qué no usa bocadillos en sus chistes, Malagón asegura que: "Siempre me ha gustado el poder de las imágenes, me gusta la poesía visual y los imágenes conceptuales, me gusta que lean mis trazos y que saquen cada unos sus conclusiones, a veces diferentes a la idea con las que las dibujé".

"Me siento orgulloso del chiste del rescate a Bankia"

Entres sus miles de chistes, Malagón asegura que uno que le llena de orgullo es: "El chiste sobre el rescate a Bankia, donde se ve un pobre pidiendo con la mano y tras él una mano enorme de Bankia, sale del cajero. Hay chistes que lo haces y los publicas en el instante perfecto y tienen vida propia, la gente lo comparte por todos los lados, lo he visto en pancartas en manifestaciones, como ejemplos en cursos, en powerpoints, etc. Me siento orgulloso que una imagen mía resuma un sentimiento general y que se expresen con ella".
Malagón nos ha avanzado sus proyectos: "Ahora mismo estoy preparando nuevos proyectos para el mes de septiembre que será calentito, me temo, informativamente hablando. Esperando un par de libros a ver si salen y un par de proyectos periodísticos a ver si llegan a ver la luz".
Mientras podemso disfrutar de Necronomía, una de las visiones más lúcidas e irónicas de la difícil situación por la que atraviesa la economía española.

Exposição Internacional " Pneumática ", Porto - Portugal, Paulo Paes, 06/06 à 05/08/13

Premiada pela Funarte, a mostra reúne esculturas infláveis e poderá ser vista a partir de 6 de junho,  no Porto - Portugal .

Exposição “Pneumática” – Foto: Aurélio Velho

A arte dos balões inspira a exposição Pneumática, que será aberta no próximo dia 6 de junho, às 19h, no Espaço de Intervenção Maus Hábitos, no Porto, em Portugal. A mostra, do artista plástico paraense Paulo Paes, integra a programação do Ano do Brasil em Portugal. As esculturas infláveis são resultado de uma pesquisa sobre os balões de papel e seu universo lúdico-tecnológico, a partir  do contato com os mestres baloeiros e com todo o ritual em torno dessa prática nas Zonas Norte e Oeste do Rio de Janeiro, Brasil. Através deste trabalho, o artista resgata e preserva fundamentos de uma tradição enraizada na memória coletiva de ambos os povos – português e brasileiro. Pneumática foi um dos projetos contemplados no Prêmio Funarte de Arte Contemporânea, da Fundação Nacional de Artes, e ficou em cartaz  de março a junho de 2012, no Palácio Gustavo Capanema, no Rio de Janeiro.

Ao se apropriar das bases técnicas da arte dos balões, Paulo Paes mergulha nas questões puramente espaciais e pictóricas envolvidas, criando objetos infláveis, de caráter efêmero, feitos em papel de seda, dissociados da função original de artefato voador. São esculturas de escalas variadas, insufladas por ventoinhas, que ao se encherem de ar, ganham volume e ocupam um lugar no espaço, sempre em nome de uma potência estética que se dá nas relações e na vibração das cores.

Sobre o artista
Paulo Paes nasceu e viveu em Belém do Pará até os 17 anos. Em 1978, foi para o Rio de Janeiro, ingressando na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, onde permaneceu como aluno e, posteriormente, como professor até 1992. Participou de diversas exposições individuais e coletivas. Em 1992, concebeu e coordenou, em parceria com Ricardo Basbaum e Ricardo Sepulveda, a exposição coletiva Eco-Sensorial, no Rio de Janeiro. Em 1991, foi selecionado para expor na 21ª Bienal Internacional de São Paulo, SP. Em 1984, expôs na coletiva Como vai você geração 80?, no Rio de Janeiro.

Atividades especiais

Durante sua residência no Espaço de Intervenção Cultural Maus Hábitos, o artista Paulo Paes desenvolverá, em parceria com o baloeiro carioca Luciano Britto, vice-presidente da SAB, Sociedade de Amigos do Balão, uma série de atividades em torno da tradição dos balões juninos de papel, que incluirão:

* DEBATE ABERTO AO PÚBLICO – Na noite de abertura, no dia 6 de junho, haverá um debate aberto ao público com a presença do artista. Paulo Paes falará sobre o processo de pesquisa sobre balões de papel e seu universo lúdico-tecnólogico, a partir do contato com mestres baloeiros e com todo o ritual em torno dessa prática na Zona Norte do Rio de Janeiro.

* OFICINA – Do dia 12 ao 21 de junho, o artista plástico Paulo Paes e o baloeiro Luciano Britto realizarão uma Oficina prática de criação, planejamento e construção de esculturas infláveis de papel de seda. Aberta ao público, vagas limitadas.

Na Oficina prática, será possível ver o modo como a elaboração construtiva dos balões se desdobra nos infláveis, como a simplicidade e a sofisticação interagem ao longo de seu processo criativo. Exercício de dobra, de corte e de colagem de papel, a consciência dos materiais em relação à estruturação plástica e o volume e a leveza das formas serão discutidos e repercutidos na prática de cada um dos alunos. Paulo também disponibilizará um manual próprio de fabricação que elaborou com tabelas com linhas de cotas e curvas.

Durante a oficina, em parceria com Luciano Britto, Paulo Paes aprofundará questionamentos acerca das fronteiras entre “arte culta” e “arte popular”, problematizando a própria legitimidade desta distinção e agregando a um espaço cultural voltado para experiências contemporâneas no campo das artes, atores e valores convencionalmente excluídos e/ou estigmatizados como pertencentes a um contexto cultural “menor”, destituído de “densidade crítica”.

As inscrições serão gratuitas e  poderão ser realizadas, entre os dias  6 e 11  de junho, pelo telefone do MAUS HÁBITOS +351 222 087 268  producao@maushabitos.com. As vagas são limitadas a 20 pessoas e a classificação etária é livre.

* LANÇAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE CATÁLOGO – No termino da oficina, dia 21 de junho, será lançado o catálogo da exposição, e distribuído gratuitamente ao público presente.

* INTERVEÇÕES URBANAS – Paralelamente, Paulo e Luciano realizarão um programa de intervenções urbanas, um movimento de levar a produção de arte contemporânea aos espaços públicos, integrada horizontalmente ao calendário de manifestações culturais “populares” das festas juninas, que têm na cidade do Porto um dos seus maiores polos de expressão.

Será uma série de intervenções urbanas, na cidade do Porto e arredores, com lançamento de balões solares (sem fogo) em parceria com o baloeiro carioca Luciano Britto e artistas portuenses integrados à oficina, culminando no amanhecer do dia de São João – dias 23 e 24 de junho de 2013.

Serviço:

ABERTURA - dia 6 de junho de 2013, às 19h
Coquetel de abertura e debate aberto ao público com a presença do artista.
Atividades Especiais
Oficina - de 12 a 21 de junho de 2013
Oficina prática de criação, planejamento e construção de esculturas infláveis de papel de seda. Aberta ao público, vagas limitadas. Período de inscrição de 6 a 11 de junho.

Intervenções Urbanas – dias 23 e 24 de junho de 2013
O artista Paulo Paes realizará uma série de intervenções urbanas, na cidade do Porto e arredores, com lançamento de balões solares (sem fogo), em parceria com o baloeiro carioca Luciano Britto e artistas  portuenses, culminando com as festividades do dia de São João.

Local Espaço de Intervenção Cultural Maus Hábitos
Rua Passos Manuel,178, 4º andar, 4000-382, no Porto, Portugal

Visitação: de 6 de junho a 5 de agosto
Horários: segunda a quarta, das 12h às 20h; quinta a sábado, das 12 às 24h

Informações e inscrições na oficina

MAUS HÁBITOS +351 222 087 268 | producao@maushabitos.com
Entrada Franca | Classificação Etária: livre

REALIZADORES
A exposição Pneumática é uma atividade produzida por Rosa Melo Produções Ltda, em parceria com Saco Azul e Maus Hábitos, integrada nas atividades do Espaço de Intervenção Cultural Maus Hábitos.

Uma iniciativa cultural promovida no âmbito do Ano do Brasil em Portugal pela Fundação Nacional de Artes – Funarte, Ministério da Cultura e Ministério das Relações Exteriores do Governo Brasileiro.

Conta, ainda, com o apoio do Governo de Portugal, Direção Geral das Artes – DGARTES, Embaixada do Brasil em Lisboa.

Brasília Df, Caixa Cultural, Exposição/Retrospectiva "O Universo Gráfico de Glauco Rodrigues", 29/05 à 04/08/13 .

Do UOL, em Brasília 28/05/201315h10

"Galeria de tipos brasileiros: o malandro", litografia, 1987. A obra está presente na retrospectiva gratuita "O Universo Gráfico de Glauco Rodrigues", de 29 de maio a 4 de agosto, da 9h às 21h, na Caixa Cultural Brasília (SBS, Quadra 4, Lotes 3/4 ? edifício anexo à matriz da CAIXA) Divulgação .

Um dos maiores pintores da arte brasileira contemporânea ocupa a Caixa Cultural Brasília a partir desta terça-feira (28). A retrospectiva "O Universo Gráfico de Glauco Rodrigues" tem curadoria de Antônio Cava e conta com mais de 100 obras originais entre litografias, serigrafias e linoleogravuras, além de ilustrações para livros, discos e revistas.

A exposição busca apresentar todas as fases da produção gráfica do artista: Clube de gravura de Bagé e Porto Alegre (anos 50), fase Pop/Nova Figuração (anos 60), fase tropicalista e antropofágica (de 1968 a 1977), Série Rio de Janeiro (1979), série Gaúcha (1976) e série de litografias com conteúdo crítico e político.

Glauco Rodrigues foi também mestre do desenho, gravador, ilustrador e cenógrafo e defendeu muito em seus trabalhos o recurso da reprodução gráfica como possibilidade de democratização da arte. A entrada é gratuita e a exposição fica em cartaz até o dia 4 de agosto.

Serviço
"O Universo Gráfico de Glauco Rodrigues"
Quando: de 29 de maio a 4 de agosto, da 9h às 21h
Onde: Caixa Cultural Brasília - SBS, Quadra 4, Lotes 3/4 – edifício anexo à matriz da CAIXA
Quanto: entrada livre

terça-feira, 28 de maio de 2013

Brasília DF, Exposição Nerd Style, Retratos por João P.Teles, até 02/06/13, Conjunto Nacional

Fotografia - Gente

NERD STYLE
Exposição by João P. Teles
é aberta no Conjunto Nacional


Texto: Marcelo Chaves
Fotos: Michael Melo


O fotógrafo João P.Teles recebeu convidados no último sábado para o coquetel de abertura de sua exposição Nerd Style – Retratos por João P.Teles, no 1º piso do shopping Conjunto Nacional.



A mostra traz aproximadamente 150 registros de vários brasilienses que passaram pela rotina do fotógrafo de moda, caracterizados no estilo “nerd”, desde a criação do projeto Nerd Style, em 2009.



Teles é um dos principais fotógrafos de moda da capital federal, eleito Melhor Fotógrafo de Brasília pela premiação Troféu Finíssimo de 2010 por seus vários trabalhos desenvolvidos no cenário local.

SERVIÇO
Exposição Nerd Style – Retratos por João P.Teles
Visitação: Até 2 de junho
Entrada: Gratuita
Local: Ala Norte do Conjunto Nacional – 1º piso

Fonte :
http://finissimo.com.br/2013/05/28/exposicao-nerd-style-movimenta-conjunto-nacional/

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Brasília DF, Exposição " Sim, pode tocar ! ", até 09/06/13 - Museu dos Correios


Os visitantes do Museu dos Correios, em Brasília, ganharam mais duas semanas para interagir com as obras do artista plástico nipo-brasileiro Yutaka Toyota. A exposição “Sim, pode tocar!” permanecerá aberta até o dia 9 de junho, com entrada franca. Estão em exibição 18 esculturas que oferecem ao público uma experiência multisensorial com a arte.

As peças, feitas de aço e madeira, causam diferentes impactos visuais, de acordo com os ângulos por quais são vistas. A possibilidade de tocar permite sentir as texturas e as formas características de cada obra, permitindo também serem apreciadas pelas pessoas com deficiência visual. Além disso, ao aproximar-se, o público percebe um som específico para cada escultura, que vai desde ruídos da floresta até o barulho produzido por um avião.

Devido ao seu caráter inclusivo, a exposição tem recebido diferentes grupos de visitantes, como estudantes do ensino fundamental, adolescentes, idosos e pessoas com necessidades especiais. 

A equipe do Hospital Sarah Kubitscheck tem levado pacientes em tratamento de reabilitação motora ao Museu dos Correios e afirma ter sido possível trabalhar a descoberta da arte pelo som, pelo toque e pelas imagens. 

Os pacientes – alguns nunca haviam estado em um museu antes – puderam se sentir como os demais visitantes, que não possuem dificuldades motoras. Isso porque o espaço oferece boas condições de acessibilidade, com rampas pouco inclinadas e entradas amplas, além de as obras de arte estarem posicionadas em altura confortável para crianças e cadeirantes.

A exposição, patrocinada pelos Correios, alcança em Brasília o mesmo sucesso já obtido no Centro Cultural Correios do Rio de Janeiro e no Espaço Cultural Correios de Juiz de Fora (MG).

Serviço:
Exposição Sim, pode tocar!
Até 9 de junho de 2013
De terça a sexta-feira, de 10 às 19horas. Sábados, domingos e feriados, de 12 às 18horas.
Museu dos Correios: Setor Comercial Sul, quadra 4, bloco A, nº 256, Ed. Apolo, Asa Sul, Brasília (DF)
Entrada: franca
Classificação: livre

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Artista Plástica Tomie Ohtake, um pouco da sua vida e obra. Em 21/11/13 completará 100 anos.


Foto Divulgação : Obra inédita,  Mostra Múltiplos Espaços, Carbono Galeria SP

Faz 77 anos que Tomie Ohtake trocou o Japão pelo Brasil. Consagrada como uma das maiores artistas plásticas, Tomie está às vésperas de completar seus 100 anos - no dia 21 de novembro -  e uma série de festejos tem sido preparado em razão da data. 
Em fevereiro, o Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, inaugurou Tomie Ohtake — Correspondências que relaciona as obras da artista nipo-brasileira com as de Mira Schendel, Cildo Meireles e Nuno Ramos, entre outros. Telas recentes de Tomie também foram expostas na galeria Nara Roesler.

Também em São Paulo, a Carbono Galeria apresenta ao público a partir do dia 21 de maio a mostra Tomie Ohatke - múltiplos espaços que traz um trabalho inédito: uma escultura de formas sinuosas na cor vermelha que se assemelha ao símbolo do infinito. "Toda experiência de Tomie Ohtake está presente na insinuação de movimento, na gestualidade de origem caligráfica, e na estabilidade e unidade que ela apresenta no múltiplo", diz Cauê Alves, curador da exposição.



terça-feira, 21 de maio de 2013

Reportagem - Museus desempenham papel fundamental na educação e cultura do Brasil

Publicado em 20/05/2013
DA REDAÇÃO - 20.05.13: O Brasil conta, atualmente, com mais de três mil museus, locais que desempenham importante papel na educação, na preservação da cultura e no respeito à diversidade. Para mostrar a importância dessas instituições para a história e a cultura do nosso povo, a reportagem da TV NBR visitou três locais em São Paulo (Museu de Artes de São Paulo, Masp; Museu da Língua Portuguesa; Museu Afro Brasil). O órgão responsável pela elaboração de políticas públicas do setor é o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram).

" Museus desempenham papel fundamental na educação e cultura do Brasil "

Se você quer conhecer um pouco mais sobre a Política Nacional dos Museus, visite o link abaixo :
http://www.museus.gov.br/wp-content/uploads/2010/02/politica_nacional_museus_2.pdf.

Clique na imagem do MASP para ver a reportagem da TV NBR.
Reportagem TV NBR


Brasília Shopping realiza exposição com o trabalho do fotógrafo Jaime Oliveira, 21/05/13 - 19:30h, encontro


Em 1990, quando começou a fotografar de maneira amadora, Jaime Oliveira mal sabia que suas belas peças futuramente seriam expostas e admiradas. Batizada de “Simples”, a exposição permite que o público conheça o trabalho do fotógrafo e ainda participe de um animado debate com o autor, no dia 21 de maio, às 19h30, no Teatro Brasília Shopping.

Conhecido como Sam, Jaime Oliveira tem a arquitetura de software como formação e a fotografia como paixão. O profissional, que garante manter o próprio estilo, prioriza os cliques na natureza, em especial as flores e os personagens em formato retrato ou nú.

“São capturas singelas e descompromissadas do que está a nossa volta e que são parte de nossa memória”, explica Jaime. De acordo com o fotógrafo, a exposição traduz um registro único e especial, seja ele pelo momento específico, pela dificuldade na execução ou pelo olhar diferenciado.


O “Encontros com o Autor” é fruto de uma parceria com o Candango Fotoclube, que realiza palestra com convidados especiais voltadas para os amantes da fotografia. O projeto tem como objetivo divulgar e debater a fotografia no Distrito Federal.

Sobre o Candango Fotoclube – Fundado em 19 de outubro de 2006, o Candango Fotoclube é uma associação de fotógrafos de Brasília sem fins lucrativos. Desde sua existência, o Candango Fotoclube realiza inúmeras atividades como workshops, exposições coletivas, saídas fotográficas, palestras e encontros. Está aberto a todos os amantes da fotografia do Distrito Federal, profissionais ou amadores. Atualmente, o Candango Fotoclube congrega mais de 60 fotógrafos.

Entre as várias ações realizadas pela associação, merece destaque a participação na organização do Mês da Fotografia 2012 como Comitê Curador da Exposição dos fotógrafos do Centro-Oeste no Museu da República.

Em meses alternados, o Candango Fotoclube promove  o  “Encontro com o Autor”, alternando fotógrafos convidados e  associados  do  Fotoclube, com o objetivo de divulgar e debater a fotografia realizada na Capital Federal.

Serviço:
Encontros com o Autor –  Jaime Oliveira
Data: 21 de maio
Horário: 19h30
Entrada Franca
Local: Teatro Brasília Shopping
Classificação indicativa: livre

Fonte: Da redação do clicabrasilia.com.br

Fonte :
http://www.jornaldebrasilia.com.br/site/noticia.php?brasilia-shopping-realiza-exposicao-com-o-trabalho-do-fotografo-jaime-oliveira&id=470969

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Redes sociais articulam financiamento de novos projetos através do crowdfunding

Ideia/opção :
 
E aí artista ! Que tal alavancar recursos através das Redes Sociais. Conheça um pouco  do conceito  " crowdfunding ". Dê asas aos seus Projetos e Sonhos !




Agência Brasil
Que tal começar um negócio contando com as ideias e a colaboração financeira de várias pessoas por meio de uma articulação via redes sociais? Essa é a ideia do crowdfunding, que tem como base a contribuição tanto de ideias quanto de recursos financeiros para viabilizar projetos que, de outro modo, provavelmente não se efetivariam.

O nome em inglês para essa espécie de “vaquinha virtual” significa financiamento (funding) por intermédio da coletividade (crowd), ou seja, é um financiamento coletivo para novas ideias. Para discutir a ferramenta, Brasília está sediando até hoje (18) o Crowdfunding Festival, com palestras e workshops que pretendem orientar os interessados em atuar na área.

O evento apresenta técnicas e metodologias para ensinar a captação financeira por meio de colaboração coletiva, com apresentação de pessoas que já tiveram sucesso com esse tipo de arrecadação, nas áreas de edição de livros, de informática e música, entre outras. No evento ainda estão previstos shows no final do dia. A programação completa está disponível na página do festival: http://crowdfundingfestival.com.br/site/.

De acordo com o coordenador do festival, o produtor cultural Gledson Shiva, o idealizador de um projeto deve, basicamente, se inscrever em uma plataforma digital de crowdfunding, informar a quantia necessária para viabilizá-lo e o prazo estipulado. Quem contribui, recebe recompensas, como vantagens ou produtos especiais.

Para ele, o sucesso da maioria dos projetos é garantido por meio da arrecadação de pequenas quantias, algo entre R$ 10 e R$ 20, permitindo que qualquer pessoa se torne um financiador de projetos.

“Os benefícios do crowdfunding são incomparáveis em relação à burocracia de um financiamento tradicional, por meio do Estado ou de bancos, que pedem uma série de cadastros, documentos e comprovações. Se elaborada de forma completa, uma campanha pode ter muito sucesso. O financiamento coletivo é uma forma viável de captar recursos, viabilizar projetos e concretizar ideias”, explicou Shiva.

Segundo a organização do festival, em outros países, como nos Estados Unidos, quantias altas são arrecadadas por meio do crowdfunding. Estima-se que o volume global das arrecadações solidárias tenha alcançado R$ 2,7 bilhões em 2012, 81% a mais do que em 2011. Para 2013, a projeção é que se chegue aos R$ 5,1 bilhões. No Brasil, a maioria dos projetos é nas áreas de cultura, esportes e artes.

Essa modalidade de financiamento tem sido a expectativa da banda de pop rock Lorem, que espera a avaliação da curadoria de duas plataformas de cowdfunding. “Como tem muita gente interessada nesse tipo de arrecadação, a avaliação demora. As curadorias são bem exigentes em relação aos projetos apresentados. As plataformas são mais ou menos simples de usar. No nosso caso, tivemos ajuda, caso contrário, não teria sido simples montar um projeto que competisse, de fato, com os outros”, disse o produtor da banda, Paulo Lobo.

Uma dúvida inevitável surge quando se fala em contribuição: “E o que eu ganho em retorno”? De acordo com Gledson Shiva, quando o valor das arrecadações é baixo – o que facilita a execução do projeto –, brindes, créditos, lembrancinhas ou pequenas vantagens servem de estímulo.

Situações usuais são as de músicos, bandas ou atletas, em que os próprios fãs contribuem pelo fato de gostar do trabalho para o qual estão colaborando. O mesmo ocorre com arrecadações para causas sociais, como projetos ambientais ou de direitos humanos – há uma tendência a se contribuir quando a pessoa se identifica com a ideia.

Essa desconfiança em relação ao uso do capital arrecadado ainda é um desafio a ser transposto, assim como o receio que muitas pessoas têm de fazer pagamentos pela internet, por meio de cartão de crédito – já que as formas de crowdfunding são via rede.

“De um modo geral, o projeto é explicado por meio de um vídeo, em que a pessoa explica qual a sua história, proposta e o que pretende fazer. São alguns minutos em que a pessoa pode se convencer da credibilidade da ideia”, disse Shiva.

Fonte :
http://www.jb.com.br/cultura/noticias/2013/05/18/redes-sociais-articulam-financiamento-de-novos-projetos-atraves-do-crowdfunding/

Funarte - Ocupação de Galerias e estímulo à produção de Artes Visuais, lista e habilitados e prazo recursos

Ocupação de galerias da Funarte e Bolsa de Estímulo à Produção em Artes Visuais: lista de habilitados




A Fundação Nacional de Artes – Funarte divulgou nesta sexta-feira, 17 de maio, a relação dos projetos habilitados e inabilitados na primeira fase do processo seletivo dos editais Prêmio Funarte de Arte Contemporânea 2013, para ocupação das galerias da instituição no Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Recife e Brasília, e Bolsa Funarte de Estímulo à Produção em Artes Visuais.

Os proponentes não habilitados poderão interpor recurso à comissão de habilitação até a próxima terça-feira, 21 de maio. O prazo de dois dias úteis, a contar da data de divulgação, está previsto nos editais. Os recursos deverão ser encaminhados em formulário próprio, disponível na página da Funarte, para os endereços eletrônicos referentes a cada edital.

Acesse abaixo, na página de cada edital, as relações de projetos habilitados e inabilitados, o formulário e o endereço eletrônico para interposição de recursos.

Bolsa Funarte de Estímulo à Produção em Artes Visuais 2013

Prêmio Funarte de Arte Contemporânea 2013 – Projéteis Funarte de Artes Visuais Rio de Janeiro

Prêmio Funarte de Arte Contemporânea 2013 – Galerias Funarte de Artes São Paulo

Prêmio Funarte de Arte Contemporânea 2013 – Galpão 5 Funarte MG

Prêmio Funarte de Arte Contemporânea 2013 – Sala Nordeste de Artes Visuais Recife

Prêmio Funarte de Arte Contemporânea 2013 – Atos Visuais Funarte Brasília – Galeria e Marquise

http://www.funarte.gov.br/wp-content/uploads/2013/03/Habilitados-e-inabilitados-1%C2%AA-fase-Brasilia.pdf

Fonte :
http://www.funarte.gov.br/funarte/ocupacao-de-galerias-da-funarte-e-bolsa-de-estimulo-a-producao-em-artes-visuais-lista-de-habilitados/

domingo, 19 de maio de 2013

Funarte, Inscrições abertas, Prêmio de Artes Plásticas Marcantonio Vilaça, 6ª Edição


INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 26 DE JUNHO DE 2013

A Funarte publicou, no dia 10 de maio de 2013, portaria que institui o Prêmio de Artes Plásticas Marcantonio Vilaça – 6ª Edição. A ação visa incentivar produções artísticas destinadas ao acervo das instituições museológicas sem fins lucrativos, públicas e privadas, fomentando a difusão e a criação das artes visuais no Brasil e sua consequente formação de público. Com recursos do Fundo Nacional de Cultura (Ministério da Cultura) no montante de R$ 2,9 milhões, serão contemplados 15 projetos com premiações a serem distribuídas da seguinte forma: cinco prêmios no valor de R$ 70 mil, cinco prêmios no valor de R$150 mil e cinco prêmios no valor de R$ 350 mil.

As inscrições são gratuitas, abertas a pessoas físicas (indivíduos ou representantes de coletivo de artistas) e pessoas jurídicas de natureza cultural, sem fins lucrativos, atuantes na área das artes visuais, e podem ser feitas até 26 de junho, somente pela internet, através da plataforma SalicWeb. Para isso, os proponentes devem acessar o link http://sistemas.cultura.gov.br/propostaweb/. Quem não é cadastrado deve, primeiramente, selecionar a opção “NÃO SOU CADASTRADO”  e preencher a ficha cadastral. Em seguida, deve acessar o link de inscrição. No momento de escolher em qual edital vai se inscrever, o proponente deve selecionar a opção Editais de Premiação e, depois,  Artes Visuais. Então, será possível visualizar os editais em aberto e optar pelo que receberá a proposta.

O Prêmio de Artes Plásticas Marcantonio Vilaça foi instituído pela Lei 11.125, de 20 de junho de 2005, em conformidade com o disposto na Portaria nº 29/2009 – MinC, e realizado em conformidade com a Lei nº 8.666/1993.

Acesse abaixo o edital e demais documentos, em “arquivos relacionados” :

Edital Prêmio Marcantonio Vilaça_2013
http://www.funarte.gov.br/wp-content/uploads/2013/05/edital_marcantonio_vilaca2013.pdf

Portaria Prêmio Marcantonio Vilaca_2013
http://www.funarte.gov.br/wp-content/uploads/2013/05/Portaria_edital_premio_artes_plast_marcantonio_vilaca_6edicao.pdf

Manual de Inscricao
http://www.funarte.gov.br/wp-content/uploads/2013/05/Manual-de-Inscricao.pdf


Para se cadastrar no SalicWeb e efetuar a inscrição, acesse http://sistemas.cultura.gov.br/propostaweb/

Mais informações
Centro de Artes Visuais da Funarte
premiomav@funarte.gov.br

Fonte :
http://www.funarte.gov.br/edital/premio-de-artes-plasticas-marcantonio-vilaca-%E2%80%93-6%C2%AA-edicao/

sábado, 18 de maio de 2013

São Paulo SP, Mostra Brasil-Alemanha : Culturas conectadas, panorama da arte digital .

Arte digital: conectando o corpo à extensão da cidade




Mostra Brasil-Alemanha: Culturas Conectadas, na Galeria de Arte Digital do SESI-SP, traça um panorama da arte digital urbana dos dois países e propõe novas formas de interação com a cidade.
Quer imaginar São Paulo para além da visão viciada de quem está habituado à cidade ou da retina cansada da rotina? O uso de fachadas digitais de mídia molda o espaço o urbano de maneira inusitada ao propor desvios e surpresas. Por meio da tecnologia, cenários imaginários são projetados para interagir com construções antes cinzentas e estáticas, transformando espaços comerciais em lugares de comunicação e encontros.

Com essas provocações, é inaugurada, no dia 15 de maio, a Mostra Brasil Alemanha: Culturas Conectadas, na Galeria de Arte Digital do SESI-SP. Em plena Avenida Paulista, ícone da cidade e uma de suas mais movimentadas artérias, o público passante pode partilhar de quatro experiências diferentes de ocupações e intervenções na fachada do edifício sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo.

Galeria a céu aberto

Parte da programação da Temporada da Alemanha no Brasil 2013-2014, que começa neste mês de maio, a mostra reúne quatro trabalhos de arte digital: ... Mais

Fonte :
http://www.goethe.de/ins/br/lp/kul/dub/bku/pt11028616.htm

Solicitada autorização para postar ao " Webredakteurin Goethe-Institut Brasilien ", Soraia Vilela.

Brasília DF - Exposição " Recortes em Conjunto ", 22/05 à 16/07/13


A galeria virtual Conjunto A4 selecionou algumas das obras de artistas que são representados pelo coletivo. O resultado da curadoria poderá ser conferido na exposição Recortes em Conjunto, em cartaz no Espaço Cena Brasília a partir do próximo dia 22 de maio. Confira!
Data: 22 de maio a 16 de julho
Hora: Confira a programação
Local: Espaço Cena - SCLN 205 Bloco C Loja 25

- - -

Data: 22 de maio (abertura com Criolina Champagne) até 16 de julho
Hora: De Segunda a sexta, das 14 às 18h. Em dias de espetáculo, das 19 às 22h.
Sobre: Dentre os artistas representados, estão Carolina Vecchio, Clarice Gonçalves, Débora Amor, Matias Monteiro, Pedro Ivo Verçosa, Renato Rios, Virgilio Neto, Jean Matos, Lucas Gehre, Gabriel Góes e Gabriel Mesquita. Os jovens representados pela Galeria Conjunto A4 são considerados promissores das artes visuais brasilienses, já contando com destaque em alguns cantos do país, como é o caso, por exemplo do trio composto por Gehre, Góes e Mesquita, os criadores da revista Samba, de quadrinhos. As obras selecionadas são trazidas de outras exposições realizadas pelos artistas.

Além de expor, o coletivo propôs uma série com três debates que colocam em pauta a cadeia produtiva e comercializável da arte contemporânea no Brasil. Eles discutirão o acesso a obras de arte e a reprodutibilidade de peças em impressão fine art.
Debates:
  • Debate com Clarisse Gonçalvez, Débora Amor e Pedro Ivo Verçosa
Data: 28 de maio
Hora: A partir das 19h
  • Debate com o coletivo da Revista Samba
Data: 11 de junho
Hora: A partir das 19h
  • Debate com Virgílio Neto, Renato Rios e Jean Matos
Data: 9 de julho
Hora: A partir das 19h

Ingressos

  • Entrada gratuita
*Valores dos ingressos sujeitos à alterações sem aviso prévio.

Mais Informações

Telefone: (61) 3349-3937
Classificação: Livre

Fonte :
http://brasilia.deboa.com/cultural/exposicao-recortes-em-conjunto

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Rio Acima MG - Brasil ganhará réplica do Teatro Globe em homenagem a Shakespeare,

Notícias / Artes Cênicas

Em 2016, ano em que será lembrado o quarto centenário da morte de William Shakespeare, a pequena cidade mineira, na região metropolitana de Belo Horizonte, vai inaugurar a única réplica, fora de Londres, do teatro onde nos séculos 16 e 17 eram feitas as primeiras encenações das hoje clássicas peças do dramaturgo inglês

Foto : Reprodução
Não se trata de ser ou não ser, mas sim de construir para educar. Para tanto, o Sistema Educacional Brasileiro (SEB) decidiu construir uma réplica do Globe Theater ou simplesmente o The Globe, principal palco da apresentação das obras de Willian Shakespeare, poeta e dramaturgo inglês considerado o maior escritor anglo-saxão e o mais influente dramaturgo do mundo. 

Em parceria inédita, o SEB e os demais unidades educacionais do grupo vão construir em 2016, ano de aniversário dos 400 anos da morte de Shakespeare, será inaugurada a réplica do The Globe na de Rio Acima, em Minas Gerais. A construção do espaço, que terá 1,5 mil lugares, será possibilitada por uma parceira dos institutos Arte Brasil e Gandarela. 

O teatro terá influências brasileiras, como elementos da arte barroca e a construção de pau a pique. O projeto envolve a criação de uma escola de dramaturgia, festivais teatrais, com a produção de 37 peças de Shakespeare e outras apresentações brasileiras. 

O Globe Theater foi uma moderna construção erguida em 1599 por Peter Streete, na época elisabetana, no borough de Southwark, numa área chamada Bankside, próxima ao rio Tâmisa, com as estruturas do primeiro teatro inglês – The Theatre -, erguido em 1576 pelo ator James Burbage e demolido em 1598 depois de ter sua licença cassada. 

A casa foi reinaugurada em 1997, sendo agora chamada de Shakespeare's Globe Theatre ou New Globe Theatre. William Shakespeare tornou-se um de seus sócios do The Globe, transformando-o em arena para as representações de peças como Hamlet e Rei Lear. Fechado em 1642, após a vitória dos puritanos liderados por Oliver Cromwell na Guerra Civil Inglesa (1642-1649), o teatro seria reconstruído e reinaugurado em 1996. A reconstituição das características originais do Globe foi possível graças a pesquisas arqueológicas que em 1989 descobriram suas fundações e as ruínas do Rose Theatre, construção da mesma época.

Fonte :
http://conceito.olhardireto.com.br/noticias/exibir.asp?noticia=Brasil_ganhara_replica_de_teatro_em_homenagem_a_Shakespeare&id=485

Mais :

 

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Fortaleza CE, Exposição Arte Contemporânea Brasileira, 17/05 à 29/06/13

Uma pincelada sobre as artes visuais brasileiras em 40 obras



Galeria Multiarte abre, nesta sexta-feira, exposição sobre a arte contemporânea produzida no Brasil

No trabalho de 27 artistas nacionais, um panorama do que seria a identidade da arte contemporânea brasileira. Essa é a proposta da abrangente exposição "Arte Contemporânea Brasileira - Dos anos 1950 aos dias atuais", em cartaz na Galeria Multiarte, dirigida por Max Pelingeiro.

Espaço da Galeria Multiarte com exposição ainda em processo de montagem


"São 40 obras e abrangem um período amplo, desde a primeira concepção de contemporaneidade, ditada por Mario Pedroza, durante a Bienal da Bahia, em 1966; até os neoconcretos cariocas, Ligia Clark, Hélio Oiticica... Somente os neoconcretos, aliás, já garantiriam uma exposição muito rica. Então, é uma excelente oportunidade de saber sobre a arte dos nossos tempos", afirma Max Pelingeiro.

Ao citar Mario Pedroza, o diretor faz referência ao artigo publicado pelo crítico de arte em ocasião da Primeira Bienal de Artes Plásticas, em dezembro de 1966. Entre outros, Pedroza observa: "O Brasil artístico cultural tende, com efeito, a ser cada vez menos um mosaico de regiões para ser um todo cultural, um complexo nacional vivo em formação".

A coleção é representada por expoentes de tendências artísticas brasileiras, como os neoconcretos Amílcar de Castro (1920-2002), Decio Oliveira (1922-1988), Ivan Serpa (1923-1973), Franz Weissmann (1911-2005), Hélio Oiticica (1937-1980), Lygia Clark (1920-1988) e Lygia Pape (1927 - 2004). Os paulistas neoconcretos: Hércules Barsotti (1914-2010) e Willys de Castro; e os concretos, Lothar Charoux (1912-1987) e Judith Lauand (1922). Além de artistas geométricos não vinculados a grupos, como Mira Schendel (1919-1988) e Sergio Camargo (1930-1990). Representando a segunda geração construtivista, haverá Antonio Dias e Luciano Figueiredo.

Complementando, integram a seleção Adriana Varejão, Beatriz Milhazes, Cildo Meireles, Ernesto Neto, Ione Saldanha (1919-2001), Jaildo Marinho, Marçal Athayde, Sérvulo Esmeraldo e Waltercio Caldas. Já a fotografia será representada por Miguel Rio Branco, Rosangela Rennó e Vik Muniz.


Em destaque: Coluna neoconcreta III, de Weissmann, 1957-2000. Ao lado, outras peças da mostra-



Panorama

"Essa semana, vi uma matéria de televisão sobre uma exposição que está abrindo em Nova Iorque, justamente sobre arte contemporânea. E o elenco de artistas deles é muito parecido com o nosso. Muitos nomes se repetem. Então, essa mostra que vamos abrir é uma oportunidade de ver, em um mesmo ambiente, o que está acontecendo no mundo", comenta Pelingeiro.

Segundo Max, nomes tão distintos, de técnicas e escolas tão diferentes são capazes de compartilhar o espaço simbólico e físico de uma mesma exposição pela mesma razão apontada por Mario Pedroza: "O momento por que passa a arte brasileira é este, de globalização. Temos uma arte global, por si só panorâmica", opina.

Também por isso "Arte Contemporânea Brasileira - Dos anos 1950 aos dias atuais" opta por apresentar a maior diversidade possível de técnicas e processos: objetos, fotografias, pinturas, esculturas. "Temos uma famosa instalação de Cildo Meireles, da década de 90, chamada ´Camelô´, produzida com alfinetes. Temos também um tríptico de Miguel Rio Branco, chamado ´Santiago de Compostela´, com cenas importantes de obras barrocas", adianta o diretor.

Extra

Utilizando a tecnologia em favor da arte, a galeria disponibilizará qr codes com informações adicionais - seja sobre os processos de produção das obras, seja sobre a biografia dos artistas, acessadas por meio de registro fotográfico, por qualquer smartphone ou tablet. No qr code desta página, o leitor poderá ver alguns dos vídeos disponíveis em espaços da galeria.

Planejada para ir até o dia 29 de junho, a mostra, justamente por sua abrangência, deverá servir de ponto de partida para outras ações e produtos. A primeira das iniciativas é a edição de um catálogo bilíngue da mostra, com textos de Mario Pedroza e Fernando Cocchiarale, especialista em arte brasileira contemporânea. Além disso, a galeria pretende ainda promover um seminário, com a presença de críticos e artistas, e a exibição de filmes produzidos sobre artistas representados nesta exposição.
Confira entrevista com Adriana Varejão


"Os desdobramentos certamente foram tão maiores quanto a própria exposição. Queremos fazer uma mostra audiovisual em julho, com dez filmes, pelo menos duas produções por semana, seguidas de um bate papo com especialistas. Há filmes sobre Waltercio Caldas, Sérgio Camargo... E ainda uma montagem chamada ´Neoconcretos´, feita a partir de entrevistas com os próprios artistas. Tudo isso deve somar muito com a exposição", acrescenta Pelingeiro.

Mais informações

Exposição "Arte Contemporânea Brasileira". De 17 de maio a 29 de junho, na galeria Multiarte ( R. Barbosa de Freitas, 1727 - Aldeota). Contato: (85) 3261.7724 Funcionamento: de segunda a sexta-feira, das 10h às 18h. Aos sábados, das 14h às 18h.

MAYARA DE ARAÚJO REPÓRTER 
Fonte :
http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1267297

segunda-feira, 13 de maio de 2013

História das Artes Plásticas no Brasil


História das Artes Plásticas no Brasil

Pode-se considerar as manifestações artísticas indígenas,como os adornos feitos com plumas,a pintura corporal e a cerâmica,como a origem das artes plásticas brasileiras.No entanto,foi com a chegada dos portugueses e o consequente contato com a arte européia que o País iniciou verdadeiramente o seu desenvolvimento artístico,gerando obras e artistas de renome internacional.




A primeira questão que se coloca em relação a arte indígena é defini-la ou caracterizá-la entre as muitas atividades realizadas pelos índios.
Quando dizemos que um objeto indígena tem qualidades artísticas,podemos estar lidando com conceitos que são próprios da nossa civilização,mas estranhos ao índio.Para ele,o objeto precisa ser mais perfeito na sua execução do que sua utilidade exigiria.Nessa perfeição para além da finalidade é que se encontra a noção indígena de beleza. Desse modo,um arco cerimonial emplumado,dos Bororo,ou um escudo cerimonial,dos Desana,podem ser considerados criações artísticas porque são objetos cuja beleza resulta de sua perfeita realização (História da Arte,Graça Proença,pág.190)

(Escudo Cerimonial dos índios Desana)

É apenas a partir do século XVIII que as artes plásticas brasileiras são impulsionadas,seguindo de certa forma os estilos e movimentos europeus.

O Barroco


O estilo barroco desenvolveu-se plenamente no Brasil durante o século XVIII,perdurando ainda no início do século XIX.Nessa época,na Europa,os artistas há muito tempo tinham abandonado esse estilo,e a arte voltava-se novamente para os modelos clássicos.

O Barroco brasileiro é claramente associado a religião católica.Por todo o país,são inúmeras as igrejas construídas segundo os princípios desse estilo.Mas há também muitos edifícios civis - como cadeias,câmaras municipais,moradias de pessoas ilustres - e chafarizes que apresentam nítidas características barrocas.

(Fachada da Igreja de São Francisco,em Salvador)

(Chafariz do Museu da Inconfidência)

Duas linhas diferentes caracterizam o estilo barroco brasileiro.Nas regiões enriquecidas pelo comércio de açúcar e pela mineração,encontramos igrejas com trabalhos em relevo feitos em madeira - as talhas recobertas por finas camadas de ouro,com janelas,cornijas e portadas decoradas com detalhados trabalhos de escultura.É o caso das construções barrocas de Minas Gerais,Rio de Janeiro,Bahia e Pernambuco.


Já nas regiões onde não existia nem açúcar nem ouro,a arquitetura teve outra feição.Aí as igrejas apresentam talhas modestas e trabalhos realizados por artistas menos experientes e famosos do que os que vivam nas regiões mais ricas da época.(História da Arte,Graça Proença,pág.196).

(Teto da capela-mor da igreja do Carmo,em Itu,pintura de frei Jesuíno do Monte Carmelo)

Apesar das influências europeias sofridas pelos brasileiros inicialmente,teve início nesta época o que pode ser considerado como a verdadeira arte nacional,já que as temáticas abordadas eram mais brasileiras e os materiais,abundantes,como madeira e pedra sabão.Os maiores expoentes da arte barroca brasileira são o pintor Manuel da Costa Ataíde (1762-1830) e o escultor Antônio Francisco Lisboa (1730-1814),mais conhecido como "aleijadinho".

(Manuel da Costa Ataíde)

(Antônio Francisco Lisboa)

Aleijadinho encontrou na Bíblia sua maior fonte de inspiração,desenvolvendo obras sacras que adornam a maioria das igrejas das chamadas cidades históricas de Minas Gerais,como Ouro Preto,Mariana,São João del Rey e,principalmente,Congonhas do Campo,onde está sua obra-prima,os 12 profetas,feitos em pedra-sabão e que adornam o santuário de Bom Jesus de Matosinhos.

(Os 12 profetas,Santuário de Bom Jesus de Matosinhos)

Sua genialidade é ainda maior se for levada em conta a doença degenerativa de que foi vítima desde 1777 e que levou a deformidade de todos os seus membros.Os Profetas só puderam ser executados graças a equipamentos especialmente confeccionados para que se adaptassem a seus pulsos e permitissem o trabalho de esculpir,pois suas mãos estavam inutilizadas.Grande parte de suas esculturas foi complementada pela pintura de Manuel da Costa Ataíde,cuja obra prima é o teto da nave da Igreja de São Francisco de Assis,em Ouro Preto,Minas Gerais.

(Teto da nave da Igreja de São Francisco de Assis,em Ouro Preto,Minas Gerais)

O Neoclassicismo


A Missão Artística Francesa chegou ao Brasil em 1816,chefiada por Joachin Lebreton.Dela faziam parte,entre outros artistas,Nicolas Antoine Taunay,Jean-Baptiste Debret e Auguste-Henri-Victor Grand-Jean de Montigny.Esse grupo organizou,em agosto de 1816,a Escola Real das Ciências,Artes e Ofícios.Essa instituição teve seu nome alterado muitas vezes,até ser transformada,em 1826,na Imperial Academia e Escola de Belas-Artes.

Taunay (1755-1830) é considerado uma das figuras mais importantes da Missão Francesa.Na Europa,participou de várias exposições e na corte de Napoleão foi muito requisitado para pintar cenas de batalha.

No Brasil,as pinturas de paisagens foram suas criações mais famosas.Durante os cinco anos que permaneceu aqui,produziu cerca de trinta paisagens do Rio de Janeiro e regiões próximas.Entre eles está Morro de Santo Antônio em 1816.


Debret (1768-1848) é certamente o artista da Missão Francesa mais conhecido pelos brasileiros,pois seus trabalhos,que documentam a vida no Brasil durante o século XIX,são muito reproduzidos nos livros escolares.

Em 1791,Debret já era um artista premiado na Europa e,nos primeiros anos do século XIX,recebia encomendas da corte francesa para pintar quadros com temas relacionados ao Imperador Napoleão.(História da Arte,Graça Proença,pág.211)

Suas principais obras feitas no Brasil são o Retrato de D.João e o Desembarque da arquiduquesa Leopoldina.

(Retrato de D.João VI)


Graças a ele,foram realizadas as duas primeiras exposições de Belas-Artes no Brasil,em 1829 e 1830.A escola se responsabilizou pela difusão dos conceitos do Neoclassicismo europeu,que buscava o retorno as formas perfeitas das obras greco-romanas e privilegiava o retrato de paisagens,em detrimento das figuras humanas.

(Família de um Chefe Camacã preparando-se para uma festa,Debret)

Com a volta de Debret a França,em 1831,as paisagens brasileiras se tornam famosas na Europa,sendo que a sua obra executada no Brasil foi de grande valor documental para a História brasileira nas primeiras décadas do século XIX,em termos de iconografia.

O Academicismo


Até 1920,o Brasil vive o predomínio das manifestações artísticas geradas pela Academia Nacional de Belas-Artes do Rio de Janeiro,que mesclavam Neoclassicismo,Romantismo e Impressionismo.Duas gerações distintas se fazem notar neste período,que foi iniciado em 1850.

A primeira,marcada pela estética romântica,privilegia a intuição e o instinto utilizando formas e temas mais populares.Os principais nomes desta época são Vítor Meireles (1832-1903) - o mais importante pintor brasileiro do século XIX,que exerceu o magistério por mais de 30 anos e cuja tela mais conhecida é o Combate Naval do Riachuelo - e seu aluno,e posterior substituto na Academia,Pedro Américo (1843-1905),o maior representante da pintura histórica brasileira,cuja tela mais ambiciosa talvez tenha sido a Batalha do Avaí,que já foi exposta em vários museus do mundo.

(Combate Naval do Riachuelo,Vítor Meireles)

(Batalha do Avaí,Pedro Américo)

A segunda geração já prevê o abandono do Academicismo e se inicia na tendência impressionista,que vai atrás da natureza e efeitos que a luz exerce sobre os objetos.Para os impressionistas,o movimento é mais importante que as formas nítidas,sendo introduzido no Brasil pelo pintor de origem italiana Eliseo Visconti (1866-1944),professor da escola Nacional de Belas-Artes do Rio de Janeiro e importante decorador,sendo mostras de sua habilidade o Teatro Municipal e a Biblioteca Nacional,ambos no Rio de Janeiro.Outro nome famoso desta época é o do pintor Benedito Calixto (1852-1927),que retratou basicamente temas religiosos e costumes simples do interior.Tendo vivido muito tempo em Santos,litoral de São Paulo,recebeu o apelido de "Pintor do Mar" pelo grande número de marítimas que pintou.

(Porto de Santos em 1879,Benedito Calixto)

A Arte Moderna


Os ideais modernistas chegaram ao Brasil com quase vinte anos de atraso.Naquela época,a troca de informações entre os continentes era menor e mais lenta do que hoje.Além disso,havia o atraso econômico do Brasil.A arte modernista refletia o mundo da máquina,da cidade grande,da velocidade,do capitalismo industrial,da revolução social.No Brasil,essa realidade moderna estava ainda nascendo.Portanto,era natural nosso "atraso" cultural.(Será mesmo que existe esse tipo de atraso?)


As novas modas estéticas foram trazidas por jovens artistas e intelectuais da elite brasileira que tinham recursos para viajar até Paris,Berlim e Londres.

O ano de 1922 foi o grande marco do nosso modernismo.É bom lembrarmos que naquele ano estourou a primeira rebelião tenentista,o episódio dos Dezoito do Forte.Foi também o ano da fundação do Partido Comunista do Brasil.O país estava grávido de mudanças!


Os rapazes e as moças queriam divulgar a nova maneira de fazer arte e poesia que eles já praticavam havia algum tempo.Para isso,organizaram a célebre Semana de Arte Moderna de 1922,na capital paulista.Estavam lá,apresentando suas obras,jovens e atrevidos poetas e escritores,como Mário de Andrade ,Oswald de Andrade,Menotti del Picchia,Manuel Bandeira,músicos,como Heitor Villa-Lobos,artistas plásticos,como Anita Malfatti,Di Cavalcanti,Vicente do Rego Monteiro e Victor Brecheret.

A Semana de Arte Moderna foi patrocinada pela burguesia cafeeira e teve lugar no sofisticado Teatro Municipal de São Paulo.Mesmo assim,os visitantes ficaram chocados.A linguagem era tão nova e inesperada que o público,acostumado com a arte acadêmica tradicional,considerou aquilo tudo uma grande bobagem.


(o imponente Teatro Municipal de São Paulo)

Teve gente que vaiou,ficou imitando galinha e cachorro durante as declamações de poesia,jogou tomates e ovos nos músicos.Essa reação não era nova nem inesperada: pouco tempo antes,o escritor Monteiro Lobato já havia atacado a pintura modernista de Anita Malfatti. Uma mostra de que alguns intelectuais não compreendiam as novas propostas.

(A Estudante 1915-1916,Anita Malfatti)

O modernismo foi muito importante para a cultura brasileira.Estimulou os escritores e artistas a criarem uma cultura genuinamente brasileira.Já que era diferente da Europa e dos EUA,o Brasil deveria criar uma cultura adequada a sua própria realidade,que levasse os brasileiros a compreenderem melhor a si mesmos e ao seu país. Oswald de Andrade falava da cultura antropofágica.Como você sabe,os antropófagos são comedores de gente.Pois os brasileiros deveriam ser antropófagos em relação a cultura européia.Ou seja,em vez de rejeitá-la,deveriam absorvê-la.Mas de um jeito especial: matando,devorando e aproveitando seus sucos vitais para se desenvolverem com autonomia.

(Antropofagia,de Tarsila do Amaral,é um exemplo da pintura que tanto chocou os críticos conservadores brasileiros)

(Diana Caçadora mostra formas delicadas e arredondadas,quase geométricas,típicas de Victor Brecheret) 

A Arte Contemporânea


Em São Paulo,o Concretismo se resumia a formas rigorosas,ao preto e ao branco.No Rio de Janeiro,o Neocentrismo surge como reação,desenvolvendo estruturas tridimensionais e obras de efeito visual e também tátil.Para os neocentristas,o público é parte da obra,podendo e devendo tocá-la,senti-la e até mesmo experimentá-la.O grande concretista brasileiro é Hélio Oiticica (1937-1980) e seus Parangolés - estandartes e capas feitos de tecido para serem vestidos,que não deixavam de ser obras de arte.

(Parangolés,Hélio Oiticica)

A partir da década de 60,as artes plásticas brasileiras passam por estilos vários como o Neo-abstracionismo,a Pop-art,a performance e a neofiguração,sem que nenhum se firmasse realmente como movimento.Vários nomes surgem e desaparecem do cenário artístico brasileiro repentinamente,buscando uma identidade que ainda está por vir.As instalações (obras em que os artistas usam um espaço - ao ar livre ou fechado - e montam obras misturando objetos e tendências variadas) são o retrato dos anos 90,quando muitos artistas buscam no ecletismo uma forma única de representação de sua arte.